Líder cristão questiona: Os apóstolos de Jesus reconheceriam a igreja atual como representante do Evangelho?



A igreja evangélica atual se difere em muito da Igreja Primitiva, não só pelas questões contemporâneas e mudanças culturais, mas também pela forma como interpreta o Evangelho, e o aplica em seu cotidiano. Essa é uma constatação feita por muitos teólogos, independentemente da linha doutrinária que sigam.

Nesse cenário, o editor do portal Charisma News, Marcus Yoars, publicou um artigo questionando se “os apóstolos de Jesus reconheceriam a igreja contemporânea” como representante do cristianismo.

No texto, Yoars afirma que “pelos padrões de hoje na igreja, Jesus não seria qualificado para ser um pastor, nem o seu ministério seria destacado como um modelo para plantadores de igrejas”. O contexto usado pelo jornalista é o da igreja norte-americana, mas pode ser facilmente enquadrado no cenário das igrejas do mundo ocidental, incluindo o Brasil.

“Jesus teve a maior pregação, ensino e ministério de cura na história. Milhares de pessoas iam a ouvi-lo, seguindo todos os seus movimentos, e saíam às ruas para obter um vislumbre dele ou simplesmente tocá-lo. No entanto, em meio à sua grande popularidade, Ele intencionalmente ofendeu os líderes religiosos, desafiou potenciais mega-doadores e eliminou seguidores casuais com ensinamentos difíceis. Não é exatamente a estratégia que você gostaria de encontrar hoje para fazer sua igreja crescer, muito menos sua página no Facebook ou perfil no Twitter”, escreveu Yoars.

Na sequência, o jornalista lembra a essência subversiva da mensagem de Jesus e critica a forma como o Evangelho tem sido maquiado: “Ele pregou uma mensagem intransigente da verdade; Nós adoçamos o evangelho até que estejamos açucarados pelo engano. Ele caminhou entre os Seus inimigos em amor; Nós banimos nossos inimigos explodindo-os por todos os seus pecados”, comparou.

Numa pequena lista, Yoars conclui que falta à igreja ingredientes como amor, oração, perseguição e poder. Segundo ele, a perseguição é uma importante ferramenta de união para a igreja: “Nós, no Ocidente, comparamos a liberdade religiosa e a falta de perseguição com bênção. No entanto, quando você olha para as igrejas mais poderosas do mundo, onde o Espírito se move livremente e em plenitude, você vai sempre encontrar perseguição. É hora de acordar e perceber que a perseguição galvaniza e unifica o corpo de Cristo como poucas outras pressões. Lembre-se, Jesus prometeu perseguição para aqueles que realmente o seguissem (Mt 5:11-12, João 15:20)”, pontuou.

Fonte Gospel+
Reações:

Postar um comentário

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/pralexsandrocosta} {twitter#https://twitter.com/iadmps} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+ALEXSANDROCOSTAPR} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCLIBLkxeaLQZA9uP1ob99Og}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget