Conselho Fiscal da CGADB fará auditoria na Editorial Patmos nos EUA



Pastor Luiz César Mariano, presidente do 
Conselho Fiscal da CGADB

Recebi a informação que o Conselho Fiscal da CGADB está de viagem marcada no próximo dia 30 para os Estados Unidos, mais especificamente para Miami, Flórida, onde deverá permanecer por 10 dias, com a finalidade de fiscalizar as contas da Editorial Patmos, que, em tese, pertence à CPAD. Essa é uma boa notícia, pois que eu me lembre, salvo engano, é a primeira vez que esse órgão se desloca até a sede da editora para cumprir o seu papel. Diga-se de passagem, em favor do Conselho, que a aprovação das contas da CGADB estariam em aberto em virtude de várias irregularidades que não teriam sido sanadas.

Convém ressaltar
que na AGO de Belo Horizonte (faz um bom tempo) o pastor Joel Freire chegou a levantar algumas dúvidas, que acabaram gerando medidas paliativas, entre elas a criação de um Conselho Fiscal constituído de pastores brasileiros radicados nos EUA para acompanhar o dia a dia contábil da Patmos. Mas as informações nunca chegaram as AGOs da CGADB de forma transparente, de modo que a ida do Conselho Fiscal da CGADB à Flórida deve ser saudada como um passo positivo para que se conheça em sua real dimensão como a editora funciona.

Uma das coisas que precisa ser esclarecida é como consta no Estatuto o vínculo da Editorial Patmos com a CPAD, já que, em tese, ela é a proprietária da editora nos Estados Unidos. Impedimento para tanto não existe, pois qualquer empresa brasileira devidamente constituída nos termos da lei pode abrir filial naquele país. Esse é um ponto que precisa ficar aclarado, levando-se em conta os rumores de que a constituição societária não teria a CPAD como parte, mas alguns pastores pertencentes ao Conselho Administrativo da Casa.

Também não se pode esquecer que para se estabelecer a Editorial Patmos, ela dependeu de remessa de capital, já que não dispunha de fundos próprios para a empreitada. Algumas perguntas precisam ser respondidas, como, por exemplo: de onde partiram as remessas, qual foi o montante e de que forma elas foram feitas, bem como se a Editorial Patmos já começou a restituir à CPAD, caso tenha sido a editora brasileira a responsável por esse aporte financeiro.

Enfim, há muito trabalho a ser feito pelo Conselho Fiscal, que terá 10 dias para debrucar-se sobre toda a papelada e trazer aos pastores associados à CGADB o retrato real da Editorial Patmos e de seus vínculos com a CPAD. Para ajudar na imparcialidade da auditoria, fica inclusive a sugestão aos conselheiros para que se assessorem de um tradutor independente e de um especialista no sistema contábil americano, pois com toda a certeza os documentos que não envolvem números não estão em português, mas em inglês. E os que tratam da contabilidade certamente obedecem as leis americanas.

Ficam aqui os nossos votos de que sejam bem sucedidos nesta árdua missão. Estaremos orando pelo êxito da viagem.

PS. Como se esperava, o recurso da CGADB contra a reintegração do pastor Ivan Bastos foi acatado pelo juiz José Renier da Silva Guimarães, no dia 24 de abril, apenas em seu efeito devolutivo e não no suspensivo. Isto significa que o 1° Tesoureiro continua investido de seus plenos direitos estatutários.
Reações:

Postar um comentário

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/pralexsandrocosta} {twitter#https://twitter.com/iadmps} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+ALEXSANDROCOSTAPR} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCLIBLkxeaLQZA9uP1ob99Og}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget